terça-feira, janeiro 13, 2009

A luz nem era assim tão clara...


A luz nem era assim tão clara...

Quando meus olhos
----------------se fecharam
------------------------a dor abriu-me o peito
---------Sentimento sem respeito,
Sem mácula
--------tão perfeito
----------------tal defeito!
Caminho que finda na escuridão
...

Meus sapatos guardam réstias
--------------------------de estradas
---------------------------------trilhadas outrora
A luz nem era assim tão clara...
--------------------------e a perfeição já gritava
--------------------------------------------nos meus olhos (?)

Acorda!
-----já é hora!
----------vida que te custa a morte!

Riso que te custa
-------------lágrima (s)
------------------luz que te paga o breu.

Vida que pariu o medo
-----------------ao leste o abrigo
-----------------------------do afogado verso

Sem brio
-------Sem cor
-------------Sem sentido
----------------------com dor
------------------------------temo a vida!

..........................................................................................................

Com a honra da parceria gulariana de Lucas de Oliveira,
poeta e calvinista contrariado.
Abraço.

2 comentários:

LUCAS DE OLIVEIRA disse...

é nóis, calvino, arminus e nietzsche! =P

rsrsrs

abraço, mano!

Anderson disse...

Quem é,é!

O Lucas sabe disso...rsrsrs

Abraço aos 2!